Dec 27, 2017

tu és único, tu és diferente, tu és especial

como é que as marcas podem chegar aos millenials? agora é mais fácil que nunca

"This Is a Generic Millenial Ad" é um anúncio à geração "milénio", perturbadoramente perfeito, feito exclusivamente de imagens e de vídeos de banco de imagem (stock footage)


o vídeo começa com a voz off a ditar o repto principal "Tu és único. Tu és diferente. Tu é especial" à  medida que vão sendo "lançadas", uma atrás da outra e de forma implacável, cenas que são clichés visuais perfeitos desta geração

só falta a mensagem "insert logo here"



o vídeo foi desenvolvido em parceria entre a equipa da Dissolve, um site dedicado de stock footage, e da agência de design And/Or. Outros vídeos da série, que recomendo vivamente, incluem "This Is A Generic Brand Video" e o "This Is A Generic Presidential Campaign Ad"

este "meta-anúncio" é um alerta à navegação para as marcas e agências, chama a atenção para o perigo de olhar para o target de uma forma "one size fits all", uma tentação em que as marcas e as agências podem cair quando falta tudo, nomeadamente uma compreensão clara do seu target (de comunicação e de consumo)

Dec 8, 2017

propósito, originalidade e valores

disclaimer: sim, sou Boavisteiro; mas não, isso não tem nada a ver com a razão deste post, tirando o facto do enorme orgulho que sinto por "ser" desta marca!


o Boavista anunciou a renovação de contrato com o atleta Edu Ferreira.  O jovem, de 19 anos, formado nas escolas dos axadrezados, viu o vínculo ser prolongado até 2018/19, numa altura em luta contra um cancro na perna direita, motivo pelo qual teve de interromper a carreira


e o que isto tem a ver com marcas? t u d o. Marcas fortes são marcas que fazem parte da vida das pessoas, têm um significado, fazem sentido na história (atual, passada ou futura) das mesmas, e por isso são relevantes. Esta é uma excelente iniciativa que materializa - na minha opinião - a "santíssima trindade" das marcas fortes! nas palavras de Joah Santos: "propósito, originalidade e valores"

sobre isto, e para quem quiser aprofundar mais o tema, aconselho seriamente a leitura dos artigos do Joah Santos 'BE SIGNIFICANT! - How iconic brands stand out in a crowded world' (link) e '3 stage engine to leadership' (link) e também a leitura do meu artigo 'O “storytelling” e a gestão de marcas' no jornal Observador (link)

o ROI desta iniciativa original ultrapassa em longe qualquer ação de simples compra de meios: constrói marca, cria goodwill e, por isso, reforça a ligação com os adeptos (leia-se, clientes)

sobre marketing (do bom, porque do mau ninguém quer) não me esqueço das palavras do Luis Reis nas aulas de marketing no MBA: "coragem, o marketing é tudo sobre ter coragem!" coragem de criar um posicionamento e defendê-lo, coragem de avançar com campanhas que - não sendo "mais do mesmo" - têm mais risco, mas um retorno gigante

Nov 26, 2017

comportamento do consumidor, Black Friday e Nietzsche

"um blog sobre marcas tem de falar sobre o black friday"... inspirado nesse desafio, aqui fica o meu contributo

"Previsivelmente Irracional" é um livro de Dan Ariely publicado nos Estados Unidos pela primeira vez em 2008, no qual se "desmontam" alguns dos principais pressupostos em relação ao processo de tomada de decisão do ser Humano com base em critérios puramente racionais. Como o próprio Ariely refere: "o meu objectivo, no final deste livro, é ajudá-lo a repensar profundamente sobre o que faz mover as pessoas que o rodeiam"

a "boa noticia" do livro é a conclusão de que o ser humano - apesar de irracional - é previsível (para o melhor e para o pior). E é aqui que entra a "black friday", porque ilustra na perfeição o argumento da irracionalidade e da previsibilidade (neste caso para o pior...):




em 1883, Nietzsche publicou um dos seus livros mais famosos, o "Also Sprach Zarathustra". Central ao livro está a noção de que os seres humanos são uma forma transicional entre os macacos e o que Nietzsche chamou de Übermensch, literalmente "além-do-homem", normalmente traduzido como "super-homem"

e é aqui que a black friday entra novamente. Se Nietzsche tivesse que "descrever" as imagens anteriores, imagino a citação:
“You have evolved from worm to man, but much within you is still worm. Once you were apes, yet even now man is more of an ape than any of the apes.” (Also Sprach Zarathustra, Ein Buch für Alle und Keinen, 1883-85). 
a "boa notícia" (do livro) é que caminhamos para nos superarmos (Übermensch). Ainda bem!

Oct 28, 2017

ação de co-branding que faz juz ao nome

a ação é de 2014, mas só agora os nossos caminhos se cruzaram e ainda bem! a marca de bebidas Johnnie Walker e a fabricante de sapatos de luxo Oliver Sweeney juntaram-se para criar uma peça engenhosa de artesanato que materializa na perfeição o conceito de co-branding

um sapato único, de couro, fabricado à mão em Itália, com os logotipos de ambas as marcas bordado e, no tacão por baixo do calcanhar, um compartimento secreto para uma pequena indulgência líquida, uma miniatura de Johnnie Walker Red Label  




em baixo, o video com apresentação da ação pela voz do criador


eu sou um adepto incondicional do co-branding e a razão é esta! estamos pertante uma peça que tem todo o potecial de se tornar numa ação de direct marketing cheia de impacto, ou não fosse o mantra da JW "Keep Walking"

Oct 5, 2017

comunicação do benefício da marca: Victan e o Debosh Destroyery

o nome diz tudo: Debosh Destroyery! o projecto onde se pode alugar um quarto... e destruir tudo o que está dentro dele! Sem dó nem piedade.

não vão faltar as ferramentas para nos ajudar a deixar a nossa marca!


localizado em Moscovo, este negócio incomum funciona como um hotel ou sala de karaoke. Pode-se, por exemplo, alugar um quarto por hora e libertar toda a raiva acumulada. Esta é a catarse no seu expoente máximo! Só de olhar para as fotos com todo o potencial de acção e já nos sentimos melhor (!?)

todos os danos capazes de infligir ao espaço estão incluidos. A pergunta nesta fase é: mas onde é que me inscrevo? quero já??! o site vem com uma ferramenta de "booking" para cada um dos quartos, sem stress ;) 




o conceito não é propriamente inovador, mas a execução é das melhores que já vi. Vale a pena ver o vídeo de apresentação:


e o vídeo deu-me a ideia: este projecto seria o cenário ideal para a próxima campanha do Victan!! um produto da Sanofi, dentro do grupo terapêutico dos ansiolíticos. Só do Victan? garantidamente não, mas fica a titulo de exemplo
 
os ansiolíticos em geral, e o Victan em particular, são recomendados para o tratamento de certas situações de ansiedade, ansiedade reaccional, ansiedade associada a uma afecção somática grave, ansiedade generalizada, etc...

benefício do Victan? de forma resumida: diminuir ou extinguir a ansiedade, sem prejudicar as funções psíquicas e motoras! ou, dito de outra forma, "... tinha visto na televisão que era a fase inicial de um enfarte e sentei-me à espera da pancada. Afinal sobrevivi e o Victan promete tornar-se o meu maior aliado para os próximos tempos."

e não é esta afinal a "promessa" do projecto Debosh Destroyery? o que os torna concorrentes no beneficio, torna-os parceiros ideais de comunicação! o briefing está feito, agora seria trabalho dos criativos 

Sep 26, 2017

o “storytelling” e a gestão de marcas

o meu primeiro artigo no jornal Observador: "O “storytelling” e a gestão de marcas"
"... As histórias não se limitam a descrever a realidade: são as próprias histórias que a criam. Neste contexto, o foco não está sobre as marcas, está sobre as pessoas e sobre o valor que elas ganham quando se envolvem com as marcas e quando as marcas se tornam parte da sua história."
 http://observador.pt/opiniao/o-storytelling-e-a-gestao-de-marcas/

podem ler artigo completo aqui

Sep 19, 2017

notas sobre posicionamento

o mercado não é definitivamente o das "bebidas (quentes) não alcoólicas", mas sim o da longevidade!!  


Sep 14, 2017

a pasta de dentes do fabricante de armas sueco

a lasanha da Colgate, a Coca-Cola com café, o ketchup verde, as Pringles sem gordura ou a assustadora "Rejuvenique Electric Facial Mask"são alguns exemplos de produtos que foram lançados no mercado, verdadeiros falhanços comerciais, e que fazem agora parte do Museum of Failure, inaugurado em Junho na Suécia

 

muitos dos produtos exibidos foram a tentativa das empresas conseguirem diversificar o seu negócio, e a intenção deste projecto é, segundo o fundador Samuel West, fazer passar a mensagem de que se pode aprender muito com os insucessos. Completamente de acordo

actualmente o "museu" conta, com cerca de 51 produtos, que incluem entre outros o perfume da Harley Davidson ou a Coke II, que foi lançada em 1985 para substituir a receita original de Coca-Cola, que perdia terreno para a Pepsi

acho este particularmente interessante: pasta de dentes do fabricante de armas sueco Bofors. Eles queriam diversificar sua produção depois da guerra...

para quem quiser conhecer mais aconselho a entrevista da

é sem sombra de dúvida uma iniciativa que devemos visitar sempre que começarmos a trabalhar o tema da diversificação ou extensão de gama

Jul 22, 2017

a inteligência artificial e o existencialismo pelas mãos de Silicon Valley

actualmente os robôs conseguem fazer (literalmente qualquer) tarefa! e se não o fazem hoje, vão poder fazer amanhã... sempre com o pressuposto de que as máquinas são "ferramentas" que estão ao nosso serviço

no entanto, com o desenvolvimento de tecnologias emergentes, como a inteligência artificial, encontramos hoje máquinas autónomas que estão "capacitadas" para aprender, fundamentar, criar e tomar decisões

neste mundo cada vez mais distópico, pós-emprego, parece que tudo o que a humanidade pode fazer é vaguear pelas praias questionando-se acerca da cruel reviravolta que teremos infligido sobre nós próprios

mas... espera! Parece que os robôs agora também podem fazer isso por nós!

Yuxi Liu criou, para a sua tese de mestrado em "Design Informatics", um projeto chamado "Poet on the Shore", que assume a forma de um robô que segue pela areia imprimindo poesia... a idéia é que o robô use a sua envolvente para gerar e escrever poesia, como qualquer humano o pode fazer. Com isso em mente, está equipado com vários sensores inteligentes para medir condições externas, como temperatura externa e a velocidade do vento


Liu refere que o protótipo atual ainda não está funcionar plenamente no sentido de "gerar" poesia autónomamente, mas pretende tornar isso possível com resurso à inteligência artificial
“I’m trying to work with TensorFlow and ConceptNet for the next step. What it can do in its current state is to automatically write out programmed poems, using an in-built device similar to a drawing machine.” (fonte)
claramente há mais a fazer, mas o trabalho toca um ponto de interesse real: sobre se uma máquina pode ou não ser criativa. Como Liu escreve na sua tese (link),
“‘Poet on the Shore’ is an attempt to challenge the anthropocentric assumption regarding machines by demonstrating the machine’s poetic sensitivity. The robot intervenes in the world. These interventions, expressed through the kinetic and poetic gestures, reveal its non-utilitarian existence: the verse it writes will eventually be washed away by the waves or winds.”


obviamente que a "criatividade" tem tudo a ver com marcas, publicidade, design... Por isso também nós profissionais da área devemos procurar contribuir ativamente para a reflexão no tema, de que papel queremos para inteligência articial no mundo das marcas. Fica o desafio!

entretanto esperamos pelo próximo passo do projeto, a acreditar no potencial que pode trazer para reflexão um poeta robô torturado que escreve poemas como se fossem mensagens Snapchat: o existencialismo pelas mãos de Silicon Valley no seu melhor

Jun 15, 2017

Descubra as diferenças...

... entre um anúncio colocado pela VW na edição de aniversário - e a primeira impressa - do jornal Observador,

e um anúncio colocado pelo banco Popular na mesma edição.

a quem descobrir, aceitam-se respostas na caixa de comentários ;)